RUBENS VALENTE
FOLHA DE S. PAULO

O senador Edison Lobão: propina foi tratada pessoalmente na casa do político em BrasíliaO senador Edison Lobão: propina foi tratada pessoalmente na casa do político em Brasília

Um dos executivos da empreiteira Andrade Gutierrez que fechou acordo de delação premiada na Operação Lava Jato, Flávio David Barra, afirmou em depoimento que aempresa usou três empresas e dinheiro de caixa dois para pagar propina aos senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Edison Lobão (PMDB-MA).

Barra relatou o suposto caminho do dinheiro dos cofres da Andrade até dois advogados ligados a Lobão e um empresário que seria o representante de Jucá nas negociações, o banqueiro José Augusto Ferreira dos Santos, que foi o controlador do banco BVA, cuja falência foi decretada pela Justiça de São Paulo em 2014.

Engenheiro civil da Andrade desde 1985, Flávio Barra era o diretor da unidade de negócios de energia quando foi preso em julho passado em uma fases da Lava Jato, que mirou a Eletronuclear. O fac-símile de um dos seus depoimentos foi publicado pelo site “QuidNovi” na segunda-feira (6) –a Folha de S. Paulo confirmou a autenticidade do documento.

Barra afirmou ter tratado pessoalmente da propina com Lobão, em reuniões na casa do político em Brasília. Disse ter estado pela primeira vez com ele em 2009, quando era o ministro de Minas e Energia do governo Lula (2003-2010). “Havia o compromisso de repasse de 1% do valor do contrato de obras civis de [usina nuclear] Angra 3 a Edison Lobão”, disse o delator.

Os pagamentos foram feitos por meio de “contratos fictícios”, por serviços “que nunca foram efetivamente prestados”, entre a Andrade e “um advogado indicado por Lobão, de nome Márcio Coutinho”, disse Barra.

Uma pessoa com o mesmo nome foi citada em outro inquérito no STF como suposto “sócio oculto” de Lobão nos negócios da empresa offshore “Diamond Mountain”, que atuava na captação de dinheiro de fundos de pensão de estatais.

Com base nesses contratos com Coutinho, disse Barra, a Andrade pagou cerca de R$ 2 milhões “que se destinavam” a Lobão.

Além dos pagamentos por esses caminhos, disse o delator, também houve doações oficiais “como forma de pagamento de propina” aos dois senadores. Em 2010, segundo Barra, a Andrade doou entre R$ 2 milhões e R$ 3 milhões para o caixa do diretório nacional do PMDB como parte do acerto com Lobão. Ao todo, naquele ano, a Andrade doou ao diretório R$ 15,3 milhões.