O presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto de Souza (PMDB-MA), arquivou nessa terça-feira (7) a representação contra o senador Romero Jucá protocolada pelo PDT há duas semanas. A decisão foi tomada no mesmo dia em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) a prisão do peemedebista pelos mesmos motivos alegados pelo partido.

A sigla acionou o colegiado por entender que Jucá quebrou o decoro parlamentar ao ser flagrado em uma gravação, publicada pela Folha, em que sugeria um pacto para deter o avanço das investigações da Lava Jato. Ele conversava sobre o assunto com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. De acordo com João Alberto, a assessoria jurídica do Senado deu parecer pelo arquivamento da representação por considerar que os documentos necessários para instruir o caso não foram apresentados. “O que existe são apenas recortes de jornais que não embasam uma prova contrária contra ele”, disse.