NA ÚLTIMA HORA

Até o início da manhã de ontem, 622 mil eleitores estavam aptos a votar em São Luís, em 2014; cerca de 120 mil eleitores da capital maranhense terão os títulos cancelados por não regularizarem a situação eleitoral nem fazerem o cadastramento biométrico

JULLY CAMILO

Eleitores formaram fila quilométrica no Fórum da Areinha|G. FerreiraEleitores formaram fila quilométrica no Fórum da Areinha|G. Ferreira

Centenas de pessoas se aglomeraram em filas quilométricas, nas partes interna e externa do Fórum Eleitoral Desembargador Francisco Costa Fernandes Sobrinho, no Anel Viário, ontem (7), último dia para regularizar o título e fazer a biometria eleitoral.

Até o início da manhã de ontem, 622 mil eleitores estavam aptos a votar em São Luís, em 2014. Cerca de 120 mil eleitores da capital maranhense terão os títulos cancelados por não regularizarem a situação eleitoral nem fazer o cadastramento biométrico.

Segundo o coordenador da Biometria no Maranhão, Roberto Magno Frazão, estão aptos a votar nas eleições deste ano, nos municípios da Grande Ilha, quase 770 mil eleitores (620 mil em São Luís; 80 mil em São José de Ribamar; 50 mil em Paço do Lumiar; e 16 mil na Raposa).

Roberto Magno, coordenador da Biometria: ‘Novo recadastramento, só em novembro’Roberto Magno, coordenador da Biometria: ‘Novo recadastramento, só em novembro’

Essas quatro cidades já adotaram a biometria – processo no qual o eleitor é fotografado além de ter as digitais coletadas, garantindo mais segurança na hora de votar.

“Dos 120 mil eleitores com o título cancelado em São Luís, cerca de 40 mil tem mais de 70 anos, e 50 mil que não votaram e não justificaram em 2012. Isso pode ser devido a falecimento”, afirmou Roberto Magno.

O atendimento na Justiça Eleitoral ontem deveria ser estendido até as 22h, em 40 pontos dos 70 espalhados na capital, com a entrega de senhas para as pessoas que chegassem até as 18h.

Quem tiver o título eleitoral cancelado não poderá obter passaporte ou cartão do CPF, bem como inscrever-se em concurso público, renovar a matrícula em estabelecimentos oficiais de ensino e obter empréstimos em bancos públicos.

Roberto Magno Frazão explicou que a estrutura montada em São Luís para o cadastramento biométrico era suficiente para atender até 5 mil pessoas por dia. Porém, nas últimas semanas, foi registrada uma média de apenas 800 eleitores/dia.

A demanda só aumentou mesmo ontem. “Essa mania que o brasileiro tem de deixar tudo para última hora dificulta não só a vida do eleitor, por conta do tempo de espera na fila, como complica também o nosso trabalho. Tivemos de dobrar os pontos de atendimento, aumentando o número de servidores envolvidos no processo. Quem perdeu o prazo, não vai conseguir votar nas eleições de 2014. E um novo recadastramento só acontecerá a partir de novembro de 2014”, explicou Roberto Magno.

JUSTIFICATIVAS – Apesar das extensas filas e do clima oscilando entre o calor e pancadas de chuva, o eleitor teve de se conformar com a espera. A maioria alegou que, por conta do trabalho, não conseguiu comparecer com antecedência aos pontos de atendimento para a regularização eleitoral.

O pintor Clóvis Tavares, de 59 anos, disse que, devido ao grande volume de trabalho com o qual se comprometeu, não pode comparecer antes ao Fórum Eleitoral. Ele afirmou que ontem dispensou todos os serviços agendados e já saiu de casa preparado para passar o dia todo à espera de atendimento.

Justificativa semelhante foi usada pela dona de casa Madalena da Silva, 60, que atribuiu aos afazeres domésticos a falta de tempo para fazer a biometria.

“A correria do dia a dia me impossibilitou de vir antes, mas hoje já avisei a família com antecedência de que precisaria do dia todo para resolver esse problema e ficar quite com a Justiça Eleitoral. Não quero problemas com o meu título”, disse Madalena.