Gostamos muito de falar das coisas de antigamente. Confortam e fecham a zero as nossas carências. Pois, antigamente, Roberto Cabeção, Cabecinha, Croinha, Gildo, Pacoty, Roberto Dinamite, Washington (que fazia dupla com Assis), Nunes, Coutinho, Toninho Guerreiro, Quarentinha e tantos outros que não caberiam aqui neste espaço, ao final de cada temporada ou de cada campeonato, ostentavam suas marcas de artilheiros: 40 e tantos gols; 50 e tantos gols e, às vezes, até mais de 60 ou 70.

Agora essa meninada que aí está, endeusada pela mídia comprometida, e, na maioria das vezes, sem credibilidade, se contenta em ser artilheiro de um campeonato com apenas 9 ou até 10 gols. Muitos até são artilheiros com menos gols.

Felizmente que, para voltar na máquina do tempo e conviver com os gols, não precisa nem lembrar de Ademir Menezes, de Quarentinha, de Ipojucã, de Baltazar, de Paulinho Valentim. Ainda estão quase todos ali, pegáveis, apalpáveis, visíveis. Foi a época de Jairzinho, de Zico, de Roberto Dinamite, de Nunes e, inevitavelmente, de Luizinho Lemos, cujos irmãos César e Caio Cambalhota também viveram marcando gols.

Luís Alberto Silva Lemos, conhecido como Luisinho Lemos e também Luisinho Tombo, é fluminense de Niterói, estado do Rio de Janeiro, e nasceu a 3 de outubro de 1951. Luisinho era irmão de Caio Cambalhota e de César Maluco, outros centroavantes que fizeram história no futebol brasileiro.

Assim como Caio, jogou no América Football Club, seu clube do coração em 1973 e 1974 e de 1982 a 1984, tornando-se o maior artilheiro da história do clube rubro com 311 gols e sagrando-se campeão do Torneio dos Campeões em 1982, da Taça Guanabara de 1974 e da Taça Rio em 1982.

Tombo jogou ainda com destaque, também com Caio, no Flamengo (1975 a 1977); no Sport Club Internacional (1977 e 1978), Botafogo (1978 e 1979); também como César, no Palmeiras (1984 e 1985), dentre outros clubes do exterior, pois jogou na Espanha, México e Catar, tendo feito 434 gols apenas atuando pelos clubes brasileiros, sem contar os seus gols no exterior.

Foi artilheiro do Campeonato Carioca em 1974 e em 1983, pelo América. Foi o terceiro maior artilheiro do estádio do Maracanã. Após encerrar a carreira como jogador, tornou-se técnico de futebol, treinando o mesmo América e, depois, clubes do Catar.

Três anos, 160 partidas e 82 gols, média de mais de um gol a cada dois jogos. Esta é a trajetória de Luisinho Lemos no Flamengo. O artilheiro jogou no Clube de 1975 a 1977, e apesar dos muitos gols, não conquistou nenhum título.

Pela Seleção Brasileira atuou somente em uma partida: amistoso no Maracanã, Brasil 2 x 1 Resto do Mundo.

Clubes, jogos e gols: 1973/74 – América/RJ; 1975/77 – Flamengo/RJ – 64 jogos/31 gols; 1976 – 65 jogos/44 gols; Flamengo; 1976 – Seleção Brasileira; 1977/78 – Internacional/RS – 31 jogos/20 gols; 1978/79 – Botafogo/RJ; 1982/84 – América/RJ; 1984/85 – Palmeiras; 1991 – América/RJ.

Títulos: Flamengo – 1975: Torneio Quadrangular de Jundiaí; Taça José João Altafini “Mazolla”;Taça Jubileu de Prata da Rede Tupi de TV; 1976: Torneio Quadrangular de Mato Grosso; Taça Nelson Rodrigues; Taça Geraldo Cleofas Dias Alves; Troféu Governador Roberto Santos; Taça Prefeitura Municipal de Manaus; Taça Duque de Caxias;

Outros Clubes – América-RJ: Taça Guanabara: 1974; Taça Rio: 1982.