O prefeito de Porto Franco, Deoclides Macedo (PDT), entregou à comunidade no último domingo (29) o Complexo Esportivo João Carlos Haas Sobrinho, em solenidade que contou com a presença do assessor especial do ministério do Esporte, Ricardo Gomide, dos ex-deputados federais Flávio Dino (PCdoB) e Roberto Rocha (PSDB); dos deputados estaduais Rubens Júnior (PCdoB), Carlinhos Amorim (PDT) e Valéria Macedo (PDT), além de vereadores e lideranças de vários municípios da região.

O nome do Complexo Esportivo homenageia o médico e militante do PCdoB que morou na cidade antes de ingressar na Guerrilha do Araguaia, onde foi morto em combate. A irmã de João Carlos, Sônia Haas, e Nelson Sales, presidente do PCdoB de São Leopoldo (RS), terra natal do guerrilheiro, também participaram da solenidade.

O Complexo Esportivo foi construído com recursos do Ministério do Esporte e da Prefeitura de Porto Franco. Conta com uma quadra poli-esportiva, um campo de futebol society e um campo de futebol oficial, todos com vestiários e banheiros. “É uma obra muito importante para os desportistas, em especial para a juventude que tem aqui uma alternativa saudável para se desenvolver”, reconheceu o ex-deputado Flávio Dino, que ajudou a Prefeitura na obtenção dos recursos.

Demonstrando alegria com a inauguração da obra, Deoclides Macedo anunciou que solicitará mais recursos para ampliar o Complexo Esportivo. O representante do Ministério do Esporte garantiu imediatamente que vai se empenhar para conseguir mais recursos e elogiou a boa aplicação da verba encaminhada pelo governo federal. “Temos aqui um bom exemplo da correta aplicação dos recursos públicos”, salientou.

João Carlos Haas, um herói brasileiro

A inauguração do Complexo Esportivo acabou se transformando num ato político em homenagem à memória de João Carlos Haas Sobrinho, jovem medico gaúcho que chegou à cidade em 1967 e logo ganhou a simpatia da comunidade pelos serviços prestados gratuitamente ou em troca de doações de produtos disponíveis nas famílias mais humildes. O prefeito Deoclides Macedo disse que “Dr João Carlos foi um gaúcho que adotou Porto Franco como sua terra natal e aqui prestou relevantes serviços na área da saúde pública”. Mais que isso, destacou o prefeito, “ele foi um homem que pagou com a própria vida pelos seus ideais e é um dos responsáveis pela redemocratização de nosso país”.

João Carlos Haas Sobrinho foi morto em combate no início de junho de 1972. Seus restos mortais até hoje não foram identificados, fazendo com que ele figure na lista dos desaparecidos políticos do regime ditatorial que se instalou no Brasil de 64 a1985.