POR JULLY CAMILO

Um laudo expedido pela Defesa Civil, em fevereiro deste ano, apontou os sérios riscos que usuários e funcionários da biblioteca pública Benedito Leite, localizada na praça Marechal Deodoro da Fonseca, centro de São Luís, estavam sujeitos e classificou o local como impróprio para uso, determinando a interdição e reforma do prédio. Para que isso aconteça, a biblioteca ficará fechada durante a execução das obras. No entanto, essa decisão não agradou aos usuários, num total de quase 300, que terão que ficar sem utilizar o acervo bibliográfico. As possíveis datas de início e término das obras ainda não foram divulgadas pela Secretaria Estadual de Infra-Estrutura (Sinfra).

De acordo com a diretora da biblioteca, Rosa Maria Ferreira Lima, a necessidade de reforma é urgente, pois a última feita no local foi em 1996, além das ações rigorosas do tempo às quais o prédio é submetido. Como exemplo, ela citou efeitos vibratórios, impactos ambientais, alterações urbanas, uso indevido e a falta de manutenção, entre outros. “O laudo da Defesa Civil foi expedido em 13 de fevereiro deste ano, pedindo a intervenção imediata do prédio. O ex-governador Jackson Lago autorizou, por meio de decreto emergencial, a reforma, dispensando as licitações. Mas, não sei por qual motivo, o contrato com a construtora não foi assinado. Resumindo, nada foi feito até agora e com a chegada das chuvas o problema só agravou”, declarou.

Foto: G. FERREIRA

Entrada principal da biblioteca Benedito Leite está interditada para usuários

Rosa Maria Ferreira disse que assumiu a direção da Benedito Leite no final de abril e revelou que teve que pedir uma nova vistoria. Engenheiros da Sinfra também estiveram no local e já estariam providenciando os procedimentos para início das obras. “Não sei quando começará a reforma, nem quanto tempo levará. Mas, será necessária a interdição total do prédio. Com isso os serviços de consulta e empréstimo do acervo serão suspensos. Sei que trará muitos transtornos aos usuários, mas precisamos cuidar do nosso patrimônio público que é mantido por meio dos impostos pagos pela sociedade. Entretanto, não podemos esquecer que essa pausa será por uma benfeitoria, afinal a biblioteca Benedito Leite tem quase 180 anos e é a segunda mais antiga do país, atrás apenas da biblioteca da Bahia”, revelou.

Prejuízo para estudantes – Segundo os usuários a reforma é necessária, mas medidas como mudar o acervo de lugar para a não-interrupção das pesquisas seriam uma solução paliativa para o problema. O universitário Márcio Diniz disse que está no último período do curso Letras e por isso existe a necessidade diária de leitura e pesquisa. “O acervo da minha biblioteca é muito bom, mas nada se compara ao da Benedito Leite que traz consigo raridades. O que mais me preocupa é que além de universitários como eu que estão em faze de conclusão de curso, tem ainda os estudantes do Enem, de vestibulares e de outros concursos. A reforma que deveria ter sido feita no início do ano tinha previsão de oito meses, por conta da demora e do agravamento dos problemas temo que esta demore um ano para terminar”, lamentou.

A diretora da biblioteca Pública Benedito Leite explicou que os trabalhos de extensão e atendimento serão mantidos, mas ainda não se sabe onde, pois o local provisório ainda não foi divulgado. “A preservação é sempre uma saída inteligente e é isso que estamos fazendo preservando nosso patrimônio público. Nosso acervo é muito bom, nossa equipe também, temos profissionais altamente capacitados. Sem contar com os grandes parceiros que conseguimos ao longo desses anos. A Petrobrás, por exemplo, mandou restaurar 1.500 obras raras. O Jornal Pequeno também é nosso parceiro, além de ser um grande incentivador da literatura”, disse ela.